Falta d'água potável está perto do fim na Baixada Fluminense

NOVA IGUAÇU - O Governo do Estado concluiu as obras de duplicação da adutora da Baixada Fluminense, que vão ser inauguradas nas próximas semanas. Com investimentos de R$ 30 milhões, as intervenções também incluem a construção de duas elevatórias para proporcionar o abastecimento dos reservatórios de Nova Brasília e Jardim Alvorada. A iniciativa vai beneficiar com água potável cerca de dois milhões e meio de habitantes da região. 
O anúncio foi feito, ontem, pelo vice-governador e coordenador de Infraestrutura do Estado, Luiz Fernando Pezão, no Seminário 'Visões de Futuro: Potencialidades e Desafios da Baixada Fluminense', promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), em uma universidade de Duque de Caxias. “Estamos fazendo investimentos em adutoras e abastecimento de água. Em breve vamos inaugurar a duplicação da adutora da Baixada que melhorará muito Caxias e Nova Iguaçu”, disse Pezão.
A extensão da Via Light (ligação com a Avenida Brasil) também foi tema da palestra de Luiz Fernando Pezão. A obra, que deve durar aproximadamente dois anos, tem previsão de início para este semestre. Serão 3,4 km, incluindo 12 viadutos e dois túneis, que irão permitir a melhoria do fluxo de veículos na área. Serão investidos R$ 533,2 milhões.
Outras obras também foram detalhadas pelo vice-governador e coordenador de Infraestrutura, no evento que reuniu prefeitos e empresários, como as do programa Asfalto na Porta, de recapeamento de vias, já em andamento em 14 municípios da Baixada (Nilópolis, Queimados, Belford Roxo, Nova Iguaçu, Mesquita, São João de Meriti, Paracambi, Seropédica, Japeri, Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Magé e Tanguá), e cujo investimento é de R$58,6 milhões.
Pezão destacou ainda o investimento de R$ 1 bilhão que será feito em obras de reurbanização em 17 municípios da Baixada Fluminense, além de Niterói e São Gonçalo, pelo programa Bairro Novo. A previsão é que 750 quilômetros de ruas (drenagem pluvial, pavimentação, construção de meio-fio e calçamento) sejam concluídos. O edital será lançado em breve pela Secretaria de Obras. Um projeto-piloto foi iniciado em Nova Iguaçu, nos bairros de Figueira e Rodilândia.
“São 19 municípios. Vamos fazer calçada, urbanização, drenagem, esgoto. Começamos a experiência em Nova Iguaçu e é impressionante o impacto que uma obra desta tem; a melhora que traz para a mobilidade, para a vida das pessoas” afirmou o vice-governador.

Arco Metropolitano foi tema

Ele falou ainda sobre a obra do Arco Metropolitano. A rodovia vai ligar os municípios de Itaboraí e Itaguaí, com extensão de 145 quilômetros, cortando oito cidades - Itaboraí, Guapimirim, Magé, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Japeri, Seropédica e Itaguaí. O Governo do Estado é responsável pela construção de 70,9 quilômetros, o chamado trecho virgem, entre o entroncamento com a BR-040 (Duque de Caxias) e o entroncamento com a BR-101 Sul (Itaguaí).
“Faltam apenas cerca de 30 desapropriações na parte urbana de Nova Iguaçu, quase tudo negociado. A obra está num impulso muito forte. Já temos cerca de 40 quilômetros de pavimentação de um total de 70,9 quilômetros. São mais de 160 pontes e viadutos construídos ao lado do Arco. O potencial de indústrias que querem se instalar no entorno é fantástico, hoje existem mais de 28 empresas com licenciamento ambiental no Instituto Estadual do Ambiente (Inea) para se fixarem como montadoras e empresas de logística, por exemplo”.
No seminário, Pezão sugeriu a rediscussão do Plano Diretor das cidades que ficam no entorno da grande intervenção. “Esta é uma oportunidade única para garantirmos o desenvolvimento econômico da região”, concluiu.
O evento recebeu prefeitos dos municípios de Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Magé, Miguel Pereira, Paty do Alferes e São João de Meriti. As cidades são denominadas pela Firjan como sendo a área II da Baixada.


Via Jornal Hoje

6 comentários :

A Prefeitura não consegue nem trocar uma lâmpada queimada, o que dirá acabar com a falta d'água na cidade. O programa 'viva luz" da Prefeitura você tem que sentar e tentar ser atendido por quase 1 hora, a atendente anota seus dados, diz que levará 15 dias para fazer a troca da lâmpada, passam os 15 dias, 30 dias, 40 dias e nada da lâmpada ser trocada !

9 de agosto de 2013 18:33 comment-delete

JÁ ESTAMOS EM OUTUBRO O TÉRMINO DA OBRA FOI EM AGOSTO E CADÊ A ÁGUA. DEVE ESTÁ INDO DIRETO PARA A ZONA SUL. A BAIXADA PARECE SER O PURGATÓRIO DO RIO. ATÉ QUANDO?

Anônimo
3 de outubro de 2013 23:29 comment-delete

Milhões e milhões e a falta de água se repete, ano após ano, em bairros como o da Cerâmica, em Nova Iguaçu, que está desde o dia 05 de setembro sem abastecimento regular. Aí vem o "sucessor" de um governador que não resolveu o problema, em oito anos, fazer campanha, apresentando o gasto de outros tantos milhões como solução. Só a competência pode livrar a baixada desse problema. Políticos só pensam nos milhões.

Anônimo
14 de outubro de 2013 17:14 comment-delete

M A I S UMA V E Z ESSA VERGONHA N O V A I G U A C U SEM AGUA NO BAIRRO DA POSSE.

ENILTON
15 de outubro de 2013 21:19 comment-delete

E a população não toma uma atitude!!!!!!!!!!

Anônimo
16 de outubro de 2013 16:06 comment-delete

O rio Guandu, pertence a Nova Iguaçu. Espero que o nosso prefeito, brigue pelo nosso direito de termos a agua que nos pertence. Chega de sermos descriminado pela zona Sul.

Anônimo
5 de novembro de 2013 08:04 comment-delete

Postar um comentário